Cumpanher d’catchor



Caminh d’Laginha
Sbida d’Somada


Sol escaldante
Pe na tchôn, estrada quent
Corp estafôd, sô selitra
Nôs tud bá e bem d’junt
Cumpanher d’catchor sô Monte Cara


Cara rise, rise
Cara mudôd ne pe d’porta


Caminh d’casa
Sol escaldante
Pe na tchôn, corp quente
Corp estafôd
sô pancada


Tronk nú, barriga k’fôme
Cara d’tchor, tchor


Mi ê nhe cumpanher d’nha dor


Publicada (também) no Jornal NhaTerra Online

4 Comentários

  1. Grande Escritor un ta ke sodade de laginha

    Olá Dr. Odair Varela, grande poema, bo po nostut na Purtugal ke sodade de nos laginha, cosa que nunca no tita bem oia li na cidade lisboa.
    Un tem sodade de tut criolo e nha terra.
    Boa sorte

    ResponderEliminar
  2. oi, odair, gostei do poema...
    muitos parabens

    ResponderEliminar
  3. pois é Dai, realmente pa nós é ta na estranger, és pequenas coisinhas que tava fazé parte de nós dia-a-dia e que nem se sequer no tava da valor, hoje és ta fazé nôs oia pá trás e senti um sodade imensa de simplicidade de nós terra. Esse poema de bossa até fazem senti quel tcher de mar de nos terra e quel quintura de nós sol.
    Parabens, um ta desejob bastante sucesso da li pa frent, continua ta trazé nos velhas lembranças que muitas das vezes nó ca ta nem valoriza.

    ResponderEliminar
  4. recordaçoes de infancia

    Pois é, esse poema me fez lembrar muito a minha infancia, quando iamos a laginha, na ida todos nós iamos contentes, mas na volta, era sim aquele sol quente de rachar os mioles e quando perdiamos chinelos era tambem de rachar os pes naquele alcatrao quente. gostei muito, parabens

    ResponderEliminar
Postagem Anterior Próxima Postagem